domingo, 24 de abril de 2011

Encantamento


Triste essa loucura dos enamorados de entregar o coração sem fronteiras. Incompreensível mesmo tal procura pelo doer-se. Insanos, na real estrutura da palavra, buscando pela tortura desmedida a que se costuma chamar paixão.

Digo e repito, não os concebo, os apaixonados, destilando exageros românticos por todos os poros. Seres lamentosos e rastejantes, carpideiras em eterno funeral. Enamorados sofrem de ilusão crônica, acredito eu, entregues que estão ao encantamento maquiavélico do amor. Tolos, é como os penso. E por esse pensar já me disseram “não sabes amar”. E eu ri, debochada, diabólica. Mas a verdade, a vergonhosa verdade, é que sei... e dói.

Triste essa loucura dos enamorados que, como eu, resplandecem ao sorriso alheio. Ao teu sorriso, tão alheio. Triste de mim que sofro de amores sem sequer poder dizer teu nome. Triste coração piegas, derramando exageros românticos, silenciosos, lacrimais. E tu, tão inocente, não sabes nem suspeitas de minhas dores por ti. 

Como posso eu, então, desfazer dos enamorados, se te anseio tanto que não ouso dizer-te? Como não alucinar nessa demência que é minha paixão por ti? Esse lamentar calmo e sem voz, sem nome a decifrar-te o rosto. Esse rosto de olhos castanhos que me olham de longe e me sorriem sem saber. Como saber? 

Nada direi e não saberás sobre essa triste loucura sem fronteiras, essa ilusão crônica. Escolho querer-te em segredo. Prefiro o calar dolorido, a insanidade e a tortura de guardar esse “eu te amo” só para mim.

Um comentário:

Ricardo disse...

Sentimento insuportavel.

"O insuportavel é que nada é insuportavel"