segunda-feira, 16 de maio de 2011

A Voz de um Anjo


Hoje ouvi a voz de um anjo. Parece brincadeira, desvario. Mas, juro. Ele estava mesmo falando comigo. Não sei dizer se sonhei, se alucinei, se morri um pouco e voltei. Só sei que ele estava lá. A voz dele estava. Não era um anjo comum, daqueles com auréolas douradas e harpas nas mãos. Era real. E ele falava e eu esperava ouvir um riso. Contudo, ele não ria. Sorria, talvez, brincando comigo. Mas o anjo estava abatido, sonolento. Acho que acabara de descer de uma nuvem, ou ainda não tinha fechado os olhos, atarefado que estava contando estrelas. E sua voz abafada veio flutuando e dizendo tantas histórias, tantas palavras soltas. Quando o anjo falou comigo, eu ouvi. Acho que ele me ouviu também. E não pediu segredo, só contou segredos. Não era um anjo como os outros, era humano, era mais que um homem. Um anjo distante, que me deixou ouvir sua voz e fez meu dia brilhar mais. E me deixou um pouco triste quando se foi. Mas o anjo estava cansado. Precisava fumar um cigarro e ir sonhar.

Um comentário:

Ricardo disse...

Esses anjos... ta de brincadeira, viu! Com o pé na terra e asas escuras dos tantos corredores estreitos de paredes sujas por onde passam a procura de um foco de luz. A saida.