terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Devolva




Venho, por meio desta, solicitar a devolução de alguns itens restritos e pessoais que permanecem em poder de sua pessoa. Venho, nesta carta, requerer o que é meu por direito intransferível. Venho, nestas linhas mal traçadas, implorar ressarcimento.

O conteúdo da lista é pequeno, mas o que você levou é caríssimo. Não tem ouro que compre. O que você levou não pode ser dado, doado, emprestado. Foi roubado. Pertence a mim. Fato injusto e inegável esse furto, esse apoderamento leviano.

Ledo tempo aquele em que o presenteei com meus pertences mais íntimos. Esses, não os reivindico. Não os quero de volta. Fique, principalmente, com a gama de pensamentos, de saudade e de lágrimas que dediquei a você. São seus por merecimento.

Também não quero de volta os suspiros tantos e os sorrisos tão poucos. Os beijos, queime-os, se não os quiser. Meu coração, já o resgatei, no exato instante em que o entreguei a você numa caixa de prata e você, sem abalo, o deixou cair das mãos. Meu coração juntei do chão. É meu de novo.

A única coisa que quero – e essa você precisa devolver – é minha alma que ficou presa a você. Essa alma é minha única sobra. Sem ela, não crio, não rio, não vivo. Aceito que você não queira nem a mim nem ao meu amor. Mas sem essa alma, não posso seguir adiante. Preciso dela. Senão por paixão, por compaixão, devolva.

Nenhum comentário: