quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Vinho


A gota rubra escorre da borda da taça como o sangue que goteja do pulso. Talho da tenra fruta, da carne pálida, prenúncio de morte engarrafada. A rolha que escapa do gargalho com seu estampido surdo, qual bomba de efeito moral, tal virgindade rompida, maculada, amoral.

Doce aroma a escapar do vidro, haustos doces descendo de encontro ao cristal. E toda a transparência se tinge de tinto veneno, deixando na língua um desejo preme. Saliva incandescida antecipando sabor. Torpor sensorial enquanto o néctar escorre pelos lábios. Frêmito de lascívia, puro prazer.

Cada gole, o sorver da própria vida, o arder do gozo, o pulsar as veias. Infinita misericórdia contida numa taça tão breve. E o fechar de olhos inevitável ante o rubor das faces. E a carícia da mente embalada em mística névoa. Mistério e encanto, sumo da árvore da sabedoria, seiva benfazeja do esquecimento.

Fugazes são esses encantos do líquido precioso de Dionísio. Causando euforias, acendendo paixões, brotando lágrimas, levitando corpos petrificados. As pagãs dançarinas da festa de Baco fazendo queimar o peito. E, súbito, somos libertos adoradores da vida. Da verdade que nele habita. In vino veritas!

Nenhum comentário: