quarta-feira, 2 de outubro de 2013

O Mago



O consolo dos tempos instáveis repousa sob o intento inabalável do mago. A salvação do corpo e do espírito depende da boa vontade do mago. Só dele é o poder de aliviar a dor da alma fria do mortal incauto. Só dele é a dádiva da cura.

O mago é sinistro e taciturno. Pouco sorri, semblante de pedra forjada no calor da lava. Olhos ameaçadores, permeados pelo brilho do aço, a intimidar quem ousa mirá-lo de frente. Frontes baixas diante do mago. Pois só dele é o poder de ver.

A cúpula noturna é o manto do mago, rebordado de estrelas fugidias, de constelações e signos. O mago se veste de zodíaco. É dele a sabedoria dos astros. Nas mãos suaves do mago repousam o futuro e o destino. O digladiar de luz e sombra habita as mãos do mago. Só ele é a fonte do conhecimento.

A consciência da águia habita a mente do mago. Sua voz serena, um mantra abismal. Sua postura tensa, o carvalho secular. Seu magnetismo lascivo a atrair neófitos e vassalos. Seu coração... sim, o mago tem um coração. O dominador de humanos e feras tem um coração... e o coração do mago... é meu.

Nenhum comentário: