domingo, 10 de fevereiro de 2013

Falta Tua



Eu só queria deitar a cabeça no teu peito e esquecer da vida. É pedir muito? Um momento de aconchego, de inércia. Um momento pra me lembrar que também posso ser frágil. Que também posso ser dócil.

Queria só deitar a cabeça na curva do teu ombro e me sentir segura, abraçada, protegida. Coisa boba de menininha fútil? Pode ser. Que seja. É bom. Pronto! Só deixar que tu me abraces e abdicar do mundo.

Mas teus braços estão tão longe de mim... que sinto saudade desse teu afago, do teu cheiro e da tua força a me prender em teu abraço. Como se não quisesse que eu fugisse de ti... Ironia, pois és tu quem foge, meu amor, e me deixas solta nesse vento de chuva.

Daria qualquer coisa para estar inteira dentro do teu abraço. Para repousar meu ser em teu todo. Para me despir de mim, de minha força, de meu comando, e te deixar reger minha orquestra.

Não. Não sou submissa. Sou fêmea, preciso de afago vez em quando. Necessito cuidado hora ou outra. Quero poder descer do salto e me perder de mim e viver por ti, meu anjo, por um instante concedido. Bastaria!

Saudade, criança. Muita mesmo. Perdoa, não posso evitar. Não posso conter. Não consigo... ficar tanto tempo longe assim de ti. Tem pena de mim, que te quero tanto... Eu que sinto a tua falta, mais que a minha. Saudade, só isso...

Um comentário:

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"Daria qualquer coisa para estar inteira dentro do teu abraço"
nada mais simples e mais distante nestes dias sem emoção